"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Para minhas mães

Rebeca, menina
sapeca, boneca, moleca
seriam só rimas...
ela é um tom acima.

Helena é um poema à pena
como pode, tão serena
ser terrena?

E Clarisse,
essa que tão cedo
um não me disse,
me ensinando
que a sandice de mãe ser
não seria só doce...

Sobre acertos e enganos
o tempo nos vigia feito um monge
há vinte anos.
E a cada dia elas são
a história mais bonita
por nós escrita e reescrita
a tantas mãos.

2 comentários:

Lisiane disse...

lindo ! muito lindo *-* amei >.<

Bella disse...

bravo!