"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



quarta-feira, 24 de agosto de 2011

ardilosa

queima em mim um verão ameno
e há menos espaço e sonho
no que sou
tudo é pequeno!

no outro
tudo exacerba e brilha
no outro a maravilha transparece
enquanto, ardilosa,
ela me aquece...

2 comentários:

Elimacuxi disse...

ardilosa é a inveja.

Jardson Pires disse...

Ameiiii..
No outroo tudo é diferente, tudo brilha e exarceba... no outro tudo é somente maravilha!!
Muitoo boa essa poesia, curta e de grande poder de reflexão!

Meu blog: jardsonpiresfjpn.blogspot.com