"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



quarta-feira, 11 de abril de 2012

naufrágio


quando você apareceu
olhos faróis
em meio ao breu
eu barco a vela
na tormenta
me refizera
e ignorara se seria a hora:
agora era navegar
de novo
no escuro
desse amar profundo.

Um comentário:

Roberto Mibielli disse...

Quando você veio
Veio em ondas sensuais
Quebrando todas as reais
Chances de navegação
Emborcando embarcação
Arrancando lemes e velas
Como um furacão de estrelas

Quando você veio
Ondulando em devastação
Rompeu diques de preservação
deixou rotas as rotas
Dos titânicos, das gaivotas
dos intrépidos odisseus
e retomou-os como seus

quando você veio
onda quente de verão
me transformou em canção
de amigos ao luar
bebendo à beira mar
amando a noite inteira
ao redor da fogueira

quando você veio
num rompante de loucura
me transformou numa jura
eu que de pedra fora
me restava no agora
bebendo teu sal espraiado
moído em areia transformado