"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



quinta-feira, 15 de março de 2012

quero a madrugada branca
bêbada
de sono
alma inquieta
no teu braço

quero esse laço
um num par
a carne nossa toda envolta
das ondas de doce ócio
ah mar...

4 comentários:

clara disse...

Saudades de alguém, saudades do mar.

Bella disse...

me chama
pelo meu nome
me ama
que o sono
a um rebanho
tange
silente
silêncio
no teu sonho
tudo é repouso
até o abandono

Roberto Mibielli disse...

minha madrugada
por outro lado
tem a chama rubra
da carne entreaberta
e insone
tem uma cor que me consome
em todas as dimensões
tem um ardor do desejar
ver e tocar
o que a distância oculta

tem uma puta vontade

retrato disse...

De adentrar teu mar,
teu amar, teu amor me abraçar.
Me envolver como o mar
e no oceano do teu olhar fazer da chama desse prazer a porta da madrugada envolta d'alma sóbria.