"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



segunda-feira, 11 de março de 2013

Velho Lucas*
















Assim que por gente me entendi
por sua causa acreditei
que namorava um bem-te-vi
e pelo amor me apaixonei.

Você tirou meus dentes de leite
e dizia à 'sua menina'
que deveria jogá-los no telhado
declamando uma rima...

Foi você quem me ensinou
a ouvir música pela letra
a desenhar letra pra fazer o nome
e a decifrar letra pra entender o Pato Donald.

Quantas vezes cortou minha franja?
Quantas vezes fingiu brincar de manja?
Quantas vezes me fez ler um mapa?
Quantas vezes me educou no tapa?

Num doze de março você veio ao mundo
sem saber como seria profundo
o sulco na alma da filha mais velha
que tanto temeu ver analfabeta.

Acho que deu certo, meu velho pai
você atingiu sua meta...
e a ninguém, mais do que a você,
responsabilizo hoje 
por eu pretender ser poeta.


*que completaria setenta anos em 12/03/2013.

7 comentários:

Daniel Oliveira disse...

parabéns profª ELIMACUXI ! :)

neuber uchoa disse...

du-ka-rai-ma..!!

Thaís Menezes França dos Santos disse...

LINDO DEMAIS! :D

ILTA disse...

Por onde teus passos desenham
Os traços tortos de um caminho certo
Espio meio acanhada as linhas e entrelinhas que se fazem letras
Tentando decifrar tua rota e teu destino, na presunção de querer
Atravessar as veias da sua inspiração

Elimacuxi disse...

Meu pai era um cearense teimoso,um poeta bruto muito machucado pela vida. Merece toda minha homenagem e fico muito feliz por vocês terem gostado disso...

Anônimo disse...

Caracas Professora, Lindo ! Bela Homenagem !!

Caio

Geraldo disse...

Lindo, minha querida!
Nordestino cabra da peste; povo forte, resistente como sua terra árida, tórrida e enrugada; às vezes tudo lhe falta mas sobra-lhe coragem de viver,reviver, sobreviver...