"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



sábado, 2 de julho de 2011


Mulher com pandeiro - Óleo sobre tela. Marcio Camargo (www.marciocamargo.com.br)

Quando me apaixono
esse ar de abandono me toma a cara
cão sem dono, fala amara,
não tenho mais sono
não quero comida.

O desejo
me escancara pra vida.

Um comentário:

''SOL'' disse...

...esta poesia ou verso, ou o quer que seja... traduz exatamente o estado no qual me encontro... mergulhada nesse profundo abismo da paixão... é exatamente assim que me sinto... ''sem palavras''.