"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



domingo, 15 de maio de 2011

re caída

Hoje chove. Um dia o vi sorrindo e parecia hoje. Sorri também, meio pelo leve do coração, meio pela erva. Era rosa aquele ócio em que caímos. Você, todo lobo, enredou-me num lençol já gasto e fui teu pasto mais uma vez. Nem me lembro como terminou aquela noite.
Hoje chove. Um dia o vi chorando e parecia hoje. Chorei também, meio por vergonha, meio por culpa. Era amarela a vergonha, você disse. Eu, toda Alice, queria mais era um abraço, sentir teu laço de perdão que ainda arde. Nem me lembro como terminou aquela tarde...
Hoje chove. Um dia, eu o quis, tu me quisestes, foi delírio aquele dia, e parecia hoje. Depois corremos nos dias repetidos. Solidão morta por dois no exílio: o vinho era a saliva e parecia hoje. A vida era tão viva, e parecia hoje...

Hoje chove e não encontro o porto. Tento em vão preencher nosso quarto com meu corpo, mas grita-me a vida, ardida, dividida.
Hoje choro,
porque chove
e você é morto.   

8 comentários:

thiagoworld disse...

Que chova, deixa chover! É o Sol que reina soberano o teu céu, o meu céu, o céu de todos! Por mais que chova até que o Sol se ponha, ele ainda está lá, por trás das nuvens. E seus raios, mesmo fracos, sempre chegam à superfície.

Oi Eli, que saudades! Muito maça seus poemas, adoro eles!

Se tiver, passa no meu blog e dá uma olhadinha: http://thiagoworld.wordpress.com

thiagoworld disse...

Corrigindo: *massa

Blenda disse...

Chove aqui também. A vida é engraçada; tristezinha e tristezona encontram-se sob a chuva do norte.

Elimacuxi disse...

"é dor,
se há tentava, já não tento,
ao transformar em dor o que é vaidade
ao ter amor
- se esse é só orgulho -
eu faço da mentira liberdade
de qualquer quintal faço cidade
insisto que é virtude o que é entulho
baldio é meu terreno e meu alarde"
Os barcos, Renato Russo

Cora disse...

Interessante que o que fomos descobrimos que ainda somos.
E que a chuva da lembrança, ainda molha nosso sono.

o olhar perdido remói o que há tempos é pó.
Apesar do que vivemos, às vezes nos sentimos só.

Quando chove, como hoje, nos protegemos dos pingos.
Mas chuva é apenas água e
hoje é só mais um domingo.

re beber, re cair, re levantar, re chover, re desmanchar, re lembrar, re cordar, re viver, re novar.

Elimacuxi disse...

reaprendo com amigos
que reabro portas
refaço caminhos
e domingos são só dias
entre outros
como nós
pingos de chuva
bebidos pela terra.

Tela principal disse...

Eli suas poesias sao lindas....
saiba que a chuva passa e logo vêm o sol prazendo o calo e a alegri
nos re lembra de que sempre a um novo dia
e novas alegrias...

Tela principal disse...

corrigindo: trazendo
re lembrando
desculpa pelos erros é que estou digitando no celular.