"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



quarta-feira, 16 de março de 2011

gritando mesmo, pra ninguém ouvir

quantos olhos
agora ouvem
o silêncio
de meus olhos?

7 comentários:

Rubens da Cunha disse...

em todos os olhos...

Roberto Mibielli disse...

Os mamilos dos teus olhos
provocam e brincam
de esconder e mostrar
com os dentes do meu olhar

Elimacuxi disse...

deixou-se na cama
prostrada de dor
os mamilos roubados
o seio em flor

noutro dia
ali brotara
poesia
de pétala rara

Roberto Mibielli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberto Mibielli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberto Mibielli disse...

Porque na cama deixou-se star
a Stela Dalva do teu olhar
clave de lua dos seios fez
e dos mamilos insensa tez

Elimacuxi disse...

ual,estamos ficando bons nisso... quem não chora, não mama,
mamãe eu quero mamar!!!!!