"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



quarta-feira, 23 de março de 2016

Poeuma

leio os antigos poemas
como quem revira bagagens
e o coração recolore as imagens:

é catar-se entre pedras e grãos
diluída entre as frestas e vãos
dos versos, lavrada na palavra
carne viva, latejada
fratura
exposta pela ponta dos dedos.

versejo
rompo tempo e espaço para ser milhares
sou espiga no milharal embonecado
da memória do meu pai
sou saudade da casa grande do interior
da memória da minha mãe
sou menina apaixonada pela primeira e pela milésima vez
sou campeão e sou freguês
tudo me dói e me alivia

versejo
e gosto do que vejo:
sou a um tempo
poeta e poesia. 

2 comentários:

ANTONIO AFONSO disse...

Gosto do que vejo...quando vejo nos outros...aquilo que gosto...mas que pouco vejo..
E este texto eu...vejo...e gosto!..

Parabéns amigo!

Anônimo disse...

Olá...queria saber onde posso comprar seu livro (amor para quem odeia). Não moro em BV e sim em outro estado. Se puder passar um e-mail ou telefone para tratar, agradeço. E parabéns pelo trabalho. Abraço