"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



sábado, 11 de maio de 2013

Ao cão na calçada
à cria abandonada
ao desespero suicida...

à mãe agredida
ao pai violento
ao filho esquecido
ao gesto sangrento

à natureza violada
à desigualdade exaltada
ao jovem e ao velho
que conservam o horror...

à cristandade corrompida
ao mundo e à atual vida
o que falta:
Amor.

4 comentários:

Thiago, o mago! disse...

Do amor é o que mais falam, e do amor é o que menos fazem.

alcemir teixeira disse...

Sensata!

alcemir teixeira disse...

Sensata!

Hélio Dantas disse...

melhor que um aleluia, às vezes.

http://www.youtube.com/watch?v=Rm5kx3xqmg0