"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



terça-feira, 10 de novembro de 2015

O mal que você fez - ou carta para o "SD Quadros"

Estou aqui, olhando para o quadro de horror pintado por você, que  começou surpreendendo a família que se preparava, na segunda-feira, para mais um dia de trabalho...

Sabe, a menina que jaz agora num caixão ainda vive aqui na minha memória. As faces rubras no momento de uma brincadeira. A voz sumida, apagada por tanta timidez. O olhar carinhoso, o esforço por aprender. Também vive noutra imagem, quando nos encontrávamos antes de sete e meia da manhã no estacionamento da escola, ela no volante, deixando a mãe no trabalho. Vivia estudando e se especializando, cheia de planos de como fazer melhor o seu trabalho. E enchia a mãe e a mim, sua amiga, de orgulho: sim, nossas meninas cresceram. Ela, a mocinha, era mais um dos elos que me irmanava à sua mãe, já tão querida por mim, Me despedaça pensar que foi ao volante que ela viveu seu último momento...

E o pai dela, esposo da minha amiga? Um homem amoroso. Companheiro na acepção da palavra: gente que faz companhia, que apoia, que dá suporte. Companheiro desses que não se talham facilmente por aí. Ele tinha agora duas filhas encaminhadas. Uma formada e outra acabando de ingressar na universidade... Apoiava a esposa no estudo do doutorado... Você não sabe o que é isso. Com base na minha experiência pessoal, imagino os planos que ele tinha... filhas criadas, uma esposa linda, inteligente, amada... a vida finalmente mostrando os resultados de todos os anos de luta empreendida. Provavelmente iria se dedicar mais a si mesmo, cuidar da saúde, sendo fiel, como era, à sua fé e à sua esposa. Viver "só a dois" de novo, talvez. Ser feliz até o fim. Quem não o esperaria? Seu amor estava lá, nas ações pequenas, como, tão cedo, fechar o portão para a filha que saía para o trabalho. E foi assim que você o encontrou, não foi?

Outra coisa que você não deve saber, na sua juventude cheia de coisas por fazer, é o que significa ter ter duas filhas criadas. Duas filhas competentes, comprometidas, saudáveis e alegres que, apenas por existirem dessa forma, reforçam o amor que você sente por si mesmo, pois recordam a cada momento o quanto você foi capaz de renunciar para construir aquela beleza.

Você certamente não sabe o que é ter tido um companheiro nesse tipo de empreitada, enfrentando inúmeros obstáculos para chegar ali. Alguém escolhido na tenra idade e com quem se firmou um compromisso de cuidado mútuo, cumprido no decorrer cansativo de cada hora, com fé e sobretudo, com amor. Você certamente não sabe também o que é casar-se com uma mulher e ter com os filhos dela o cuidado amoroso de um pai. A palavra padrasto nem deveria ser usada nesse caso. Eu conheci um desses, bem de perto e a palavra que mais se adequa a quem faz isso numa sociedade tão machista e negativa é AMOR e não padrasto. Mas amor é algo que você provavelmente não sabe.

Você, tão jovem e tão cheio de coisas por fazer, provavelmente não sabe o que é ter uma irmã/irmão mais velhos, muito amados, que te servem como modelo. Não sabe da alegria de dividir a cama, a barraca no acampamento da igreja, os brinquedos, os jogos, os amigos, os álbuns de figuras. Não sabe o que é compartilhar os momentos de crescimento com os sonhos, os medos e as angústias que ele traz. Provavelmente você, tão jovem e tão cheio de coisas por fazer, não soube o que era compartilhar com alguém muito íntimo o amor e a gratidão pelo empenho de seus pais para que você se tornasse o que é. É isso, você provavelmente não sabe o que é a dádiva de ter, em casa, uma irmã que é também sua melhor amiga. Elas, as meninas da minha amiga, antes de ontem, tinham.

Desde ontem, quando você resolveu visitar aquela família de amigos e ao padrasto de um outro amigo, sinto que meu corpo ferido foi jogado num tanque de ácido. Respirar dói. Olhando seu sorriso bonito e sua juventude, suas postagens 'se sentindo tranquilo' nas redes sociais, sinto que você não tem noção alguma da extensão do mal que fez. Olho para você, para o tremendo quadro de horror que você construiu, para sua fuga, para seu posterior 'medo' e 'entrega'. Posso estar cega, mas não vejo nada que não tenha sido planejado. E me é familiar tudo isso: já vi inúmeras vezes no cinema, os psicopatas agem assim.

Hoje amanheci destroçada. Sem dormir, não acordei. Peço perdão aos meus leitores do blog, não há pretensão de poesia aqui hoje. Porque hoje sou só dor e desespero. Não é só comoção barata por três pessoas assassinadas, motivada pelo espetáculo da TV, que eu tanto desprezo. É o desespero de ver o ódio se espraiando, incontrolável, incontornável, atingindo cada vez mais as pessoas que eu amo. De ver o ácido me cobrindo e de estar perdendo, com tanta dor, a pouca lucidez que me sobra.

Como não me ferir quando tantas, como eu, são vitimizadas por violento desrespeito? Quando tantas mulheres como eu perdem a vida nas mãos de gente que foi gerada por outras tantas mulheres como eu? Quando tantos pensam justificar o injustificável, 'informando' que a tragédia "foi motivada" por ciúme?

Infelizmente, ao contrário do que ocorreu com a vida de Jannyele, Eliézio e Ernani, esse post e essa dor, por ora, ficarão sem fim.

14 comentários:

Stephanne Brenda Almeida Marques Padilha disse...

Lamento a dor que a senhora e muitas outras pessoas estão sentindo. Realmente é injustificável tudo o que aconteceu. Suas palavras expressam todos esses sentimentos, também tenho depressão e crueldades como essa realmente torna o mundo cada vez mais 'escuro'.

Elisa Mattos disse...

OBRIGADA!! Obrigada por transformar em palavras o que muito de nós estão sentindo agora! SINCERAMENTE GRATA,

Elisa Mattos.

Laurye Borim disse...

Sinto muito pela sua dor. ótimos os seus textos.
Se vc me permite uma opinião, o fundo de tela preto prejudica demais a leitura.

abs

Luzia Rafaela Lucas de paiva disse...

Esse é o reflexo de uma sociedade cada vez mais agressiva, onde o "não", não é respeitado e o sentimento de posse que as pessoas sentem a cada dia fala mais alto, estamos caminhando para um futuro incerto, onde a intolerância reina absoluta, só existe o eu, e nunca o nós, não é a primeira vez que isso acontece e me dói profundamente ter a certeza de que não será a última, os humanos estão se tornando cada vez mais inescrupulosos, me custa acreditar que vivo para presenciar barbáries cometidas por pessoas da minha geração, uma geração em que poucos tem a capacidade de raciocínio claro, de se colocar no lugar dos outros e de sentir a dor dos outros, falta mais que AMOR, falta muito CARÁTER na humanidade, nos vangloriamos por sermos os "racionais" mas, o que presencio dia após dia, nada parece ser racional. Meus sentimentos, ao amigos e familiares.

Raphaela Queiroz disse...

Eli ! Que texto!! Parabéns pela reflexão!! Admiro-te! Bjo

sarah disse...

Senti desespero da mãe em saber que nao podera mais ver o rosto dos seus amados, so de imaginar essa desolaçao de imaginar que sonhos foram perdidos. E que a esperança de ve-los todos os dias nao sera mais possivel isso e desesperador. Espero que as familias alcancem alento com os que ficaram e que a justiça seja feita. Pois o desespero de nao poder ver as pessoas amadas e o pior sentimentoe esta alem de qualquer compreensao.

Carla Brienne disse...

Perfeição
Em palavras
Por tamanha barbaridade.
Bjs.

Bárbara Lédo disse...

Um abraço sincero daqui. Fica bem.

Eliane Silva disse...


Disse tudo. Falta de amor.a pessoa tem uma pedra no lugar do coração, falya de Deus na visa das pessoas. Eu sem conhecer eles.não conseguir dormir de tanta dor ,pensando nos que aqui ficarm..varias familais destruidas.como pode uma pessoa ser tão cruel.doi doi muito.

http://eficaciahumana.blogspot.com.br/ disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
http://eficaciahumana.blogspot.com.br/ disse...

Faço minhas as palavras de Luzia Rafaela

Maiza Lucia S.S disse...

Garota linda, não vou chama-la de doutora porque olhei no seus olhos brilhando, seu sorriso lindo e li as suas belas palavras que te fazem muito mais importante, teu coração, tua alma...continue garota, continue a sorrir por eles, mesmo com essa dor, que um dia ela amenizar, um dia ela vai mudar, mudar de saudade doida para uma lembrança boa dos bons momentos...porque a lembrança não morre graças a Deus, beijo minha querida.

Rony Benjamin disse...

Hj, exatamente um ano depois desse texto, leio cim lágrimas nos olhos suas palavras. Vc ao final pede desculpas aos leitores, mas eu, como sobrinho do Lalá (assim Chamava-mos o Tio Eliezio) e a primo da Janoca (Jannyele), te agradeço por tamanha sensibilidade nas palavras. Queria muito que essas palavras chegassem ao seu destinatário final, e que ele encontrasse o arrependimento sincero. Para nossa família, nos resta somente dor e Saudade..

R. Benjamin

Elimacuxi disse...

Eu também choro. Essa tragédia feriu todos nós. Muito amor para todos os que sofreram diretamente pela perda.