"Uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida cotidiana." (Huizinga, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ed. Saão Paulo: Perspectiva, 2007)
De todos os brinquedos que a vida me deu, o que mais me cativou foi o de jogar com as palavras. O jogo se faz completo quando escrevo e alguém replica, quando replico o que escrevem... É na intenção de reunir jogadores e assistência, que meu blog é feito.



sábado, 6 de fevereiro de 2010

diverso universo, prosa em verso

Publicado em 2005, o livro contém poemas de uma safra antiga... a primeira parte, "muito prazer", é de fato uma apresentação e tem quatro poemas. O primeiro é

MINHA POESIA
Minha poesia carrega em si
uma cor que às vezes
nem minh'alma contém:
um vermelho derramado de paixão.
Minha poesia, como o núcleo de uma estrela
é puro fogo
onde queimo as bruxas
que me atordoam
e incinero os lençóis
dos fantasmas que tiram
meu sono
é de onde tiro o calor
pras minhas noites solitárias.

Minha poesia é assim:
eu e mais eu
trasnbordando de mim.

Um comentário:

Ágda disse...

Simples e encantador.
Quem me dera ter essa facilidade em rimar.

Lembra muito Cora Coralina em sua fase jovem.